Liberdade para debater e pensar

Liberdade para debater e pensar 550 345 Instituto Palavra Aberta

O primeiro evento da série Encontros Pensadores da Liberdade foi aberto com o seminário sobre a Cultura do Debate e o lançamento do livro Pensadores da Liberdade

Foto Fabiano CerchiariDia 29 de maio, 19h30. No futuro, no Instituto Palavra Aberta lembrará desses dois acontecimentos pioneiros. Em um dos auditórios do Sesc Pinheiros, descontraídos, mas num diálogo atual e profundo, os filósofos Fernando L. Schüler (Projeto Cultural Fronteiras do Pensamento) e Luiz Felipe Pondé (articulista da Folha de S.Paulo) falaram de temas presentes no cotidiano brasileiro, como a liberdade e as tentativas de controle da mídia, da democracia e seus caminhos no Brasil dos dias atuais, a emergência das novas gerações no cenário político e as mudanças que acompanham as mídias sociais ou mídias virtuais.

Era o primeiro evento da série Encontros Pensadores da Liberdade aberto com o seminário sobre a Cultura do Debate, tendo como mediador o jornalista Ricardo Gandour (diretor de conteúdo de O Estado de SPaulo). Ele formulou questões e falou, em especial, do trabalho do jornalista, da imperativa necessidade de liberdade de expressão e de imprensa. Criticou as dificuldades de apuração das notícias, da intolerância de muitas fontes, da necessidade da justiça entender que quanto mais forem divulgadas as denúncias, mais o juiz terá condições de decidir. “O jornalista trata dos temas no momento em que estes estão acontecendo, o juiz, delibera a posteriore. Assim é a democracia. Não comporta censuras”, disse.

O debate foi pontilhado de citações de autores como Adam Smith, Albert Camus, Immanuel Kant, Slavoj Žižek, Mario Vargas Llosa e Zygmunt Bauman, ao lado de conceitos como pessimismo, otimismo, informação e opinião, além de grandes narrativas como romantismo, hegelianismo e marxismo.
Fernando Schüler definiu a liberdade como sendo “um aprendizado, uma explosão”. Pondé, por sua vez, destacou o risco de tentar proteger a liberdade em nome do “bem social”, o que acaba inibindo o diálogo e desaguando na censura. O debate, conceituou Pondé, “é a explosão do outro”. Os três participantes do seminário também falaram dos artigos que escreveram no livro, respectivamente: Liberdade: a sua, a minha, a nossa, O século da liberdade e Um Jardim sem liberdade.

Após esse encontro, houve uma noite de autógrafos para o lançamento do livro Pensadores da Liberdade – Em torno de um conceito. Patrícia Blanco, presidente do Instituto Palavra Aberta, informou que novos seminários irão acontecer e outras edições do livro serão lançadas. O primeiro volume foi organizado por Patrícia e Fernando L. Schüler. O prefácio é do jurista Carlos Ayres Britto, do Conselho Consultivo do Instituto Palavra Aberta. “A intenção é contribuir para aprofundar o debate com ênfase à liberdade e a tolerância” destacou a presidente do Palavra Aberta.

Foto: Fabiano Cerchiari