Especial: Google Brasil promove debate

Especial: Google Brasil promove debate 630 345 Instituto Palavra Aberta

Dia 9 de setembro uma mesa-redonda com convidados marca o lançamento das novas coleções no Google Cultural Institute: “Resistir é Preciso…” e “Memória Massacre Carandiru”.
Inscreva-se! Vagas limitadas!

Em torno do tema Memória, imprensa e sérias violações aos direitos humanos na era digital, Ivo Herzog (diretor-executivo do Instituto Vladimir Herzog), Guilherme de Almeida (presidente da ANDHEP), Marcelo Rubens Paiva (escritor e jornalista) e Pedro Lagatta (pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo) participam do debate que será mediado por Patrícia Blanco, presidente do Instituto Palavra Aberta, apoiador do evento.

ATENÇÃO – vagas limitadas e na sua inscrição deve constar: nome completo, empresa, telefone de contato, e-mail e número do RG. Garanta sua presença através do e-mail eventos@palavraaberta.org.br

Organizado pelo Google Brasil, a mesa-redonda marca a incorporação de dois novos acervos ao Google Cultural Institute: “Resistir é Preciso…”, do Instituto Vladimir Herzog, e “Memória Massacre Carandiru”, da ANDHEP – Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós Graduação.

O lançamento será realizado na sede do Google, em São Paulo, e haverá breves apresentações dos dirigentes das instituições parceiras sobre suas coleções. “Os dois acervos abordam tópicos ligados à preservação da memória, à liberdade de expressão e à violação de direitos humanos. A inclusão na plataforma do Cultural Institute aumenta exponencialmente o alcance dessas exibições, que estarão disponíveis a qualquer pessoa com acesso à internet, e reforça a importância de se refletir sobre questões essenciais que não podem nem devem ser esquecidas”, diz Alessandro Germano, diretor de parcerias do Google Brasil.

As coleções

A exposição “Resistir é Preciso…”, criada pelo Instituto Vladimir Herzog, é um projeto pioneiro, de longo alcance, que apresenta fragmentos da história do Brasil, a partir das publicações e depoimentos de pessoas, entre os quais jornalistas, escritores, estudantes e ativistas políticos, que participaram da resistência à ditadura militar brasileira através da palavra impressa. Teve mais de 350 mil visitantes, entre 2013 e 2014, quando foi exposta em quatro capitais brasileiras.

Para o Ivo Herzog, “o conteúdo digital permite que o mundo tenha acesso a um expressivo conjunto de obras de arte e documentos históricos que mostram a voz ativa da classe artística brasileira contra a opressão da ditadura militar. A tecnologia é uma aliada para que todos, sobretudo os jovens, possam conhecer as lutas para reconstrução da democracia, ocorridas entre as décadas de 1960 e 1980. Esta é uma forma de evitar que atrocidades jamais se repitam”.

O projeto “Memória Massacre Carandiru”, realizado por meio de uma parceria do Núcleo de Estudos sobre o Crime e Pena da FGV-SP com a ANDHEP, reúne processos civis e criminais, reportagens de jornais e revistas, fotos e manifestações artísticas sobre o massacre ocorrido no Complexo Penitenciário do Carandiru em 2 de outubro de 1992.

[su_box title=”Programação” box_color=”#9D0B0E” radius=”2″]10h – Café da Manhã
10h30- Apresentação Google Cultural Institute – por Alessandro Germano
10h40 – Apresentação ANDHEP – por Guilherme Almeida
10h50 – Apresentação Instituto Vladimir Herzog – por Ivo Herzog
11h – Mesa Redonda: “Memória, imprensa e sérias violações aos direitos humanos na era digital”
[/su_box]

Google Cultural Institute

O Google Cultural Institute dedica-se a criação de tecnologia capaz de auxiliar a comunidade cultural a reunir artefatos de várias instituições ao redor do mundo, junto com as histórias que os tornam importantes, em um museu virtual. A idéia é que os tesouros da cultura estejam sempre à mão de milhões de internautas em todo o mundo e que, dessa maneira, o acesso a esse conteúdo seja mais democrático e que seja possível eternizar essas obras para as gerações futuras.
O Instituto já possui mais de 800 parceiros e mais de 170 mil obras de artes em sua plataforma. As duas novas coleções que serão lançadas em setembro trazem à tona temas importantes para a comunidade e que merecem destaque e espaço nessa memória digital.

Instituto Vladimir Herzog

O Instituto Vladimir Herzog, criado para celebrar a vida de Vladimir Herzog, baseia sua visão e sua missão na trajetória do jornalista, morto pela ditadura que dominou o Brasil entre 1964 e 1985. Em junho de 2009, a família e um grupo de amigos e ex-colegas de Vladimir decidiram criar o Instituto para conhecer e implementar ações que reforcem os valores da democracia.
O Instituto com sede em São Paulo realiza atividades voltadas a diferentes áreas dos Direitos Humanos, preservando a história recente do Brasil com livros e documentários, realizando ações culturais como concertos, peças de teatro e projetos educacionais na forma de palestras, cursos e prêmios.

ANDHEP

A Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós-Graduação foi fundada em junho de 2003, em Brasília, com a finalidade principal de contribuir para a formação de uma comunidade de pesquisadores especializados em Direitos Humanos, seguindo os moldes de outras associações científicas congêneres.
Entre os principais objetivos da Andhep estão: promover o avanço da pesquisa, do corpo de pesquisadores e do ensino de direitos humanos, em pós-graduação; auxiliar na formulação e implementação de políticas de ciência e tecnologia, de educação e de pesquisa, que afetem o domínio dos Direitos Humanos e auxiliar a formulação e implementação de políticas de proteção e/ou promoção de Direitos Humanos.

Instituto Palavra Aberta

O Instituto Palavra Aberta promove a liberdade de expressão e informação manifestada na liberdade de imprensa, na liberdade de expressão comercial e na livre iniciativa como pilar fundamental de uma sociedade avançada e sustentável.