A sagrada lei da credibilidade

Hegel dizia que os jornais eram sua oração matinal. Se vivo estivesse, o pai da dialética constataria que, hoje, os jornais, por diferentes meios, são a oração de todas as horas. As redações funcionam 24 horas por dia em incessante ritmo de produção de notícias. É um trabalho organizado, permanentemente tenso e delicado, regido sobretudo por padrões éticos da autoconsciência. Para o jornalista, a verdade é primordial e nesse sentido, literalmente, a verdade é o fato.

Uma conquista da sociedade

Agora é lei. Por decisão da Câmara dos Deputados as biografias podem ser escritas sem prévia autorização, envolvendo pessoas cuja trajetória artística e profissional tenham dimensão pública ou estejam envolvidas em acontecimentos de interesse da coletividade.

Cultura de Liberdade

Passaram-se 50 anos desde aquele longínquo 31 de março de 1964 quando a liberdade no Brasil virou letra morta e a censura passou a fazer parte da vida brasileira. — Por Patricia Blanco

Sinal vermelho

A morte do cinegrafista da TV Bandeirantes, mais do que um marco nas manifestações populares, é um sério sinal de advertência. A violência não pode persistir, sob pena de desvirtuar o sentido dos movimentos reivindicatórios

Sem censura

Houve um tempo em que publicar um livro exigia o imprimatur, em latim “deixem-no ser impresso”, autorização do imperador ou da autoridade eclesiástica, enfim do soberano, reconhecendo que naquelas páginas nada havia contra o regime ou a crença dominante. Antes, o escrito passava pela censura para receber o nihil obstat, nada contra.

Câmera Aberta

Patrícia Blanco, presidente do Instituto Palavra Aberta, apresenta o Câmera Aberta, o novo espaço de comunicação do site que, a partir de agora, trará opiniões, depoimentos, entrevistas e debates em torno da liberdade de expressão e de imprensa. Seja bem vindo!!!